sexta-feira, 19 de junho de 2009

Tempos de Walden

"Pouco se pode esperar do dia, se a isto se pode chamar de dia, para o qual não fomos acordados por nosso Espírito, e sim pelas cutucadas mecânicas de um criado, para o qual não fomos acordados por nossas próprias forças recém-adquiridas e aspirações íntimas, acompanhadas de ondulações de música celestial em vez de serenas de fábricas, e de uma fragrância a encher o ar – para uma vida superior àquela em que caímos adormecidos; e assim a escuridão produz seu fruto e se mostra não menos importante do que a luz." (Walden ou a vida nos bosques, pag. 93)

Nenhum comentário:

Postar um comentário